Rio FM

Na Casa do Vaqueiro

Márcio Jota

Facebook lança ferramenta para aprimorar privacidade

25/08/2019 14:30

O Facebook lançou nesta semana uma nova ferramenta de privacidade. Nomeada como “Atividades fora do Facebook”, ela permitirá que os usuários rastreiem e controlem os dados que anunciantes compartilham com a rede social. O recurso será liberado gradualmente aos internautas.

São definidas como “atividades fora do Facebook” ações como quando 1 site ou aplicativo de vendas compartilha com a rede social informações sobre a navegação de uma pessoa. Com a nova ferramenta, caso o usuário apague os dados, as informações que o identificam serão removidas dos dados que as empresas enviam. Assim, elas não poderão monitorar as atividades realizadas na rede.

Há cerca de 1 ano, a companhia havia manifestado interesse em produzir tal recurso. David Baser, diretor de gestão de produtos do Facebook, informou ao site Adage.com que o projeto demorou mais que o esperado para ser finalizado. “Tivemos que criar a capacidade de construir um índice que nos permitisse mostrar esses dados para cada pessoa e permitir que elas os veja claramente e os limpe ou apague no futuro”, afirmou.

O projeto precisou passar por testes e os realizadores perceberam que a ideia do recurso não era de fácil entendimento para o público em geral. Por isso, mudaram o nome de “Limpar história” para “Atividades fora do Facebook”. O antigo nome dava a entender que seria possível excluir todos os dados relacionados à rede social, mas na verdade só será possível alterar os que envolvem anunciantes e possibilitam que eles direcionem as propagandas.

“Basicamente, as pessoas não entendiam o que eram os dados, de onde vêm e como funcionam”, disse Baser. “E quando o chamamos de ‘limpar história’, o nome original, estávamos configurando as pessoas para pensarem que incluía mais coisas do que a realidade, ou coisas diferentes. Queríamos esclarecer que esses são os dados que as empresas enviam ao Facebook que vêm de fora do Facebook. Não, digamos, nos dados do Facebook, como clicar em um link.”

A ferramenta está sendo lançada aos poucos e não está disponível nos EUA. Os primeiros países a receberem a novidade foram Espanha, Irlanda e Coreia do Sul.

O produto funciona da seguinte maneira: os usuários acessam as configurações, onde veem a opção “Atividade fora do Facebook”. Nesse item, há uma lista de todos os anunciantes, editores e desenvolvedores que importaram dados sobre o usuário. Um usuário pode olhar cada entidade e decidir quais manter e quais apagar. Manter o compartilhamento de dados permite que a marca continue a segmentar o usuário com anúncios. Apagá-la significa que o anunciante não poderá continuar a produzir mensagens personalizadas. Há também uma opção para apagar todas as conexões de dados de todos os parceiros do Facebook de uma só vez. As pessoas ainda podem impedir que esses dados sejam usados no futuro para segmentá-los na rede social.

“Existem várias maneiras pelas quais as empresas podem enviar dados do Facebook”, afirmou Baser. “Eles podem enviar coisas como um pixel em um site. Um SDK incorporado a um aplicativo pode enviar eventos para o Facebook. Entrar no Facebook. Existem muitas ferramentas como essa”, acrescentou.

Um pixel é 1 rastreador que 1 site coloca nos navegadores da web para se conectar a 1 usuário quando este visita outros sites. É assim que as pessoas veem anúncios dos tênis que pesquisaram ou adicionaram a 1 carrinho de compras fora do site da loja. Um SDK é 1 “kit de desenvolvimento de software” que oferece aos aplicativos maneiras de aproveitar ferramentas e serviços de plataformas maiores como o Facebook. E muitos aplicativos usam o “login do Facebook” como uma maneira fácil de inscrever novos usuários, permitindo que eles usem suas credenciais na rede social.

Uma conseqüência da exclusão de dados de atividades fora do Facebook é que uma pessoa seria desconectada dos aplicativos que usam o login do Facebook e precisaria reinserir as informações na próxima vez que entrar no aplicativo.

Excluir esses dados é como limpar um navegador de cookies –que são os rastreadores on-line que ajudam os anunciantes a segmentar anúncios e os sites a manter os usuários conectados. Houve 1 movimento entre os players do setor de anúncios digitais para alterar a forma como os dados são coletado online. A Apple, 1 crítico franco da espionagem digital e da publicidade on-line, liderou o caminho ao implementar medidas rigorosas de rastreamento no navegador Safari. O Google seguiu o exemplo com novas medidas de transparência em relação ao rastreamento em seu navegador, Chrome.

Muitos anunciantes estão preocupados com o fato de a nova maneira de coletar dados prejudicar a capacidade de comercializar produtos. Quanto mais pessoas cobrem as faixas on-line, mais difícil é exibir anúncios eficazes.

Os gigantes dos anúncios digitais, no entanto, estão respondendo ao maior escrutínio do mundo, na Europa, com o Regulamento Geral de Proteção de Dados. A nova lei se concentra em garantir que as plataformas digitais tenham permissão diretamente dos consumidores para usar seus dados na segmentação de anúncios. A Califórnia adotou uma lei semelhante que será promulgada no próximo ano, e os legisladores dos EUA estão buscando adotar essas leis em todo o país.

A reação contra o compartilhamento de dados realmente começou após a falha do Facebook em policiar os desenvolvedores em sua plataforma. No mês passado, o Facebook aceitou a multa de US$ 5 bilhões da Federal Trade Commission pelo abuso de dados da Cambridge Analytica sobre 87 milhões de usuários.

Com as multas acumuladas e as leis fechando o cerco, o Facebook prometeu construir 1 produto mais centrado na privacidade, com novos recursos, como a capacidade de excluir atividades fora do Facebook.

Fonte: Infonet

Mais Notícias

Outras Notícias

É preciso educar, às vezes é preciso punir, mas também é preciso dar as condições para que o cidadão ...

Continue Lendo

Primeiras investigações indicam que não havia sinais de arrombamento no apartamento, nem evidências ...

Continue Lendo