Rio FM

Sertão Online

Gilson Neto

Bolsonaro diz que Trabalho será incorporado a outro ministério

Não deu detalhes da incorporação

07/11/2018 22:43

O presidente eleito Jair Bolsonaro afirmou nesta 4ª feira (7.nov.2018) que o Ministério do Trabalho será incorporado “a algum ministério”. Sem entrar em detalhes, o militar não disse a qual ministério ficaria a responsabilidade das políticas trabalhistas.

Bolsonaro deu a declaração após almoço no STJ (Superior Tribunal de Justiça), oferecido pelo presidente do tribunal, o ministro João Otávio de Noronha, do qual também participou o juiz Sérgio Moro, futuro ministro da Justiça e Segurança Pública.

As especulações sobre o fim da pasta iniciaram após o presidente eleito afirmar que iria reduzir o número de ministérios. A pasta comemorará 88 anos em 26 de novembro.

Nesta 3ª feira (6.nov), em meio às especulações sobre a incorporação, o Ministério do Trabalho divulgou nota na qual afirma que a pasta é “seguramente capaz de coordenar as forças produtivas” e “buscar o pleno emprego e a melhoria da qualidade de vida dos brasileiros”.

“O futuro do trabalho e suas múltiplas e complexas relações precisam de um ambiente institucional adequado para a sua compatibilização produtiva, e o Ministério do Trabalho, que recebeu profundas melhorias nos últimos meses, é seguramente capaz de coordenar as forças produtivas no melhor caminho a ser trilhado pela nação brasileira, na efetivação do comando constitucional de buscar o pleno emprego e a melhoria da qualidade de vida dos brasileiros”, diz a nota.

O Ministério do Trabalho é o responsável por elaborar políticas e diretrizes para a geração de emprego e renda, além da modernização das relações de trabalho. Além disso, a pasta também é responsável por realizar a fiscalização dos postos de trabalho; participar da elaboração de políticas salariais e de desenvolvimento profissional.

Eis a íntegra da nota do Ministério do Trabalho:

“O Ministério do Trabalho, criado com o espírito revolucionário de harmonizar as relações entre capital e trabalho em favor do progresso do Brasil, completa 88 anos de existência no próximo dia 26 de novembro e se mantém desde sempre como a casa materna dos maiores anseios da classe trabalhadora e do empresariado moderno, que, unidos, buscam o melhor para todos os brasileiros.

O futuro do trabalho e suas múltiplas e complexas relações precisam de um ambiente institucional adequado para a sua compatibilização produtiva, e o Ministério do Trabalho, que recebeu profundas melhorias nos últimos meses, é seguramente capaz de coordenar as forças produtivas no melhor caminho a ser trilhado pela nação brasileira, na efetivação do comando constitucional de buscar o pleno emprego e a melhoria da qualidade de vida dos brasileiros.”

MUDANÇA NA DEFESA

Bolsonaro não confirmou ainda  quem irá comandar o Ministério da Defesa, segundo ele, o nome pode ser anunciado na 6ª feira (9.nov.2018). O presidente eleito voltou a dizer apenas que o futuro ministro será 1 oficial-general de “4 estrelas”, que representa alguém do topo das carreiras no Exército, Marinha ou Aeronáutica.

 

 

O general Augusto Heleno, que já havia sido anunciado como ministro da Defesa, agora irá assumir agora o posto de ministro do GSI (Gabinete de Segurança Institucional).

ITAMARATY

Questionado sobre o nome do futuro chanceler, Bolsonaro afirmou que busca um diplomata de carreira, sem viés ideológico. “Estamos buscando alguém sem o viés ideológico. Há vários nomes, e assim como na Defesa teremos 1 [militar] de 4 estrelas, no Itamaraty teremos 1 diplomata”, disse.

O presidente eleito disse que pretende fechar representações brasileiras “ociosas”, sem citar quais seriam essas representações. A rede consular brasileira é uma das maiores do mundo, consiste em 1 conjunto de embaixadas, consulados e vice-consulados.

Bolsonaro reafirmou ainda que vai viajar para os Estados Unidos, mas disse que seu estado de saúde por enquanto não o permite.

BANCO CENTRAL

Questionado se o governo pretende manter Ilan Goldfajn na presidência do Banco Central, Bolsonaro declarou que terá de conversar primeiro com o futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, e, se for o caso, com o próprio Ilan.

“Depende se ele [Ilan] querer ficar. Eu nunca conversei com ele na minha vida. Passa pelo Paulo Guedes, ele vai apresentar para mim, se for o Ilan, a gente vai conversar”, disse o presidente eleito.

 

BNDES

Sobre o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), o presidente eleito não comentou sobre mudanças comando do banco.

No entanto, Bolsonaro disse que abrirá “o sigilo” das operações do BNDES logo na primeira semana do governo, que terá início em janeiro.

“BNDES, da minha parte, nós vamos abrir todo o sigilo para vocês, sem exceção”, afirmou.

 

Fonte: Poder360