Rio FM

Sintese em Ação

Professor Milano

As denúncias que pesam contra Aécio Neves

As denúncias que pesam contra Aécio Neves

19/05/2017 06:10

São Paulo – A delação de Joesley Batista, da JBS, no âmbito da Lava Jato, representou um golpe sem precedentes para o agora senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG).

O dono da JBS entregou à Procuradoria Geral da República, conforme revelou ontem (17) o jornal O Globo, uma gravação de Aécio Neves pedindo a ele dois milhões de reais.

No áudio, o senador dizia que precisava do dinheiro para pagar a sua defesa na Lava Jato. Depois, Aécio indicou um primo para receber o valor. A entrega do dinheiro foi filmada com detalhes pela Polícia Federal.

A delação também fala que o senador recebeu R$ 60 milhões ilegalmente em 2014 e que a JBS teria comprado partidos políticos para que apoiassem Aécio em vez de Dilma Rousseff na eleição daquele ano.

Hoje (18), a Procuradoria-Geral da República pediu a prisão do senador, mas o ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, negou o pedido.

Fachin, entretanto, optou por afastar Aécio Neves de suas funções. O seu cargo de senador, assim, foi mantido por hora. Mas ele não poderá votar em uma sessão no Congresso, por exemplo.

O Senado, recebendo a notificação de Fachin, concordou com o afastamento. O PSDB também afastou Aécio da presidência do partido e colocou Carlos Sampaio no lugar, de maneira interina.

Denúncias

A denúncia de ontem não é a única que pesa nas costas de Aécio Neves. Confira algumas dos escândalos que envolveram o nome do tucano nos últimos anos:

1. Dinheiro ilícito em 2001

Em junho de 2016, Sérgio Machado, ex-presidente da Transpetro, disse em sua delação premiado na Lava Jato que, em 2001, ele participou de um esforço de captação de recursos ilícitos para bancar a eleição de Aécio Neves à presidência da Câmara dos Deputados.

Recursos foram levantados de maneira ilegal para ajudar na campanha de 50 deputados do PSDB, o que ajudaria na escolha de Aécio para a presidência da Câmara.

Machado disse que foram cerca de R$ 7 milhões levantados, sendo que Aécio recebeu R$ 1 milhão desse montante. Ele teria recebido o valor através de um “amigo em Brasília”.

2. Denúncia de Furnas

Em março de 2016, o senador Delcídio do Amaral (PT-MS) afirmou em sua delação premiada na Lava Jato que Aécio Neves recebera propina de Furnas. O doleiro Alberto Youssef, em sua delação, também afirmou que Aécio recebeu propina da empresa.

Delcídio disse que Dimas Toledo, ex-presidente da companhia, cuidava desses pagamentos ilegais e um dos beneficiários era Aécio. Muito próximos, Aécio quem teria indicado, ainda no governo FHC, o nome de Dimas para o cargo.

Segundo a denúncia feita em 2006, 156 políticos teriam recebido, nas eleições de 2002, dinheiro de caixa 2 da Furnas Centrais Elétricas. Aécio seria um dos beneficiários.

Cerca de R$ 5,5 milhões de reais teriam ido para a campanha de eleição para o governo de Minas.

3. Propina da Odebrecht

Em março desse ano, a Revista VEJA revelou que a Odebrecht teria pagado propina ao senador. O dinheiro teria sido depositado em uma conta bancária em Nova York, operada pela irmã de Aécio, Andréa.

A denúncia veio na delação premiada de Benedicto Junior, ex-presidente da Odebrecht Infraestrutura. Ele teria dito que, como Aécio tinha atendido a interesses da empresa em obras como a da Cidade Administrativa, em Minas, o pagamento teria sido feito como uma “contrapartida”.

4. Mais propina da Odebrecht

Já Marcelo Odebrecht, ex-presidente da companhia, disse em depoimento ao Tribunal Superior Eleitoral, em março desse ano, que Aécio pediu propina a ele.

O senador teria lhe pedido R$ 15 milhões no final do primeiro turno da campanha eleitoral de 2014. Marcelo Odebrecht teria dito que o valor era muito alto. Aécio teria sugerido que ele depositasse o valor aos seus aliados políticos.

5. Escândalo da Petrobras

Em informações dadas em depoimento para firmar um acordo de delação premiada, Pedro Corrêa, ex-deputado federal, disse que foi Aécio quem indicou Irany Varella para o seu cargo na Diretoria de Serviços da Petrobras.

Irany seria a responsável por arrecadar propinas para a Petrobras junto aos empresários.

6. Escândalo do aeroporto

Em 2014, estourou o escândalo do aeroporto de Cláudio. O governo de Minas Gerais teria gastado quase R$ 14 milhões para construir um aeroporto dentro de uma fazenda de um parente do senador tucano.

Naquela época, Neves estava no fim do seu segundo mandato como governador do Estado. A pista foi construída em uma fazenda no município de Cláudio e estava pronto desde o final de 2010.

Em 2015, o Conselho Superior do Ministério Público de Minas Gerais decidiu arquivar o inquérito que apurava supostas irregularidades na construção da pista.

 
Guilherme Dearo
Mais Notícias

Outras Notícias

Garotinho inicia greve de fome em presídio no Rio

Continue Lendo

Decreto reduz horário de verão em cerca de 15 dias

Continue Lendo

MEC libera R$ 290 milhões para custeio de universidades

Continue Lendo

Ceac terá sede no Shopping Peixoto, em Itabaiana

Continue Lendo